Filosofia Oriental e Espiritualismo Prático

Últimos assuntos

Navegação

Parceiros

Fórum grátis

    ORAÇÃO DE RECOLHIMENTO E ORAÇÃO DE QUIETUDE.

    Compartilhe

    Convidad
    Convidado

    ORAÇÃO DE RECOLHIMENTO E ORAÇÃO DE QUIETUDE.

    Mensagem  Convidad em Sex Ago 26, 2011 10:45 am

    Amigos,

    Alguém afirmava q, nas orações, "há algum determinismo" e perguntava se elas atingem seus objetivos. Vamos refletir: se existe um determinismo, os q oram e as orações q contêm, estão tentando destrui-lo, certo? Essa é a uma crença das doutrinas: q se pedirmos contritos, Deus modificará seu "plano", q está em andamento (q significa q modificará, de algum modo, o universo, ou o movimento irresistível universal, da vida e de tudo o mais) para nos atender.

    Orações discursivas não têm qualquer significado, senão o de nos levar a refletir ou a nos lembrar de determinadas necessidades nossas. A oração deve ser em silêncio externo e interno, sem quaisquer súplicas ou agradecimentos, ou promessas de se modificar (promessas não passam de "negociação" com Deus: "se eu fizer assim e assim, Tu me darás o q peço?", ou "se Tu atenderes minhas súplicas, prometo q farei assim e assim!"); é, exatamente, como se considerássemos Deus, o comerciante q tem todas as respostas e possibilidades de nos atender, desde q, em troca, lhe paguemos com a moeda de nosso esforço de nos transformar para melhor.

    A verdadeira oração é sem desejos, sem visualizações, sem esperar nada em troca, nenhuma vantagem ou ganho, sem lembranças do q fizemos ou deixamos de fazer, ou do q pensamos em fazer, sem esperanças de q as tristezas e sofrimentos cessem ou sejam atenuados, mente silenciosa, livre de pensamentos; a oração é uma entrega em total desprendimento, uma abertura pela qual a luz possa vir a entrar.

    Contudo, todos estas considerações devem estar esquecidos, senão a mente/ego estará operando e se tornando mais forte qdo, o q temos de fazer é, exatamente, enfraquecê-la e, afinal, anulá-la de modo q cesse totalmente seu comando sobre nós; temos de operar de modo que nos esqueçamos de "tudo", inclusive de nós mesmos. A oração só pode ser produtiva, se não estivermos mais ali pois, qdo não estamos, Deus está! "Ou eu, ou Deus". "Aquieta-te e sabe: eu sou Deus!". Aquiete a mente/ego e vc, afinal, saberá q é Deus, e não vc, q está se manifestando.

    Esse sempre foi o entendimento dos grandes; assim, como outros, Teresa de Ávila, "santa" e doutora teologal da igreja romana, (por pouco não foi executada pelo fogo da Inquisição por ensinar coisas q a igreja não ensinava), afirmava a necessidade de "duas" orações: a "oração de recolhimento", na qual se deve recolher, esconder, esquecer tudo, pensamentos, desejos, dores, lembranças, expectativas... esquecer-se a si mesmo...: oração q, se bem feita, resultará na "oração de quietude" (a primeira depende de nós; esta última só se realiza, "automática" e naturalmente, pois independe de nós, se a primeira for bem feita); nesta há silêncio total na mente, não há pensamentos e, se estes não existem, não existe tb o o ego e... estamos "lá".

    Relembrando: "ou eu/ego, ou Deus".
    avatar
    Monstrinho

    Mensagens : 145
    Data de inscrição : 22/05/2011

    Re: ORAÇÃO DE RECOLHIMENTO E ORAÇÃO DE QUIETUDE.

    Mensagem  Monstrinho em Sex Ago 26, 2011 11:23 pm

    Como bem disse Pai Joaquim, "O ego não ora; o ego cria a idéia de estar rezando". O ego cria a idéia de estar rezando para alguém, mas isto é ilusão.

    Também concordo que as orações verbais, faladas, pronunciadas tratam-se de um acordo com Deus, numa troca simbólica, em que, eu rendo culto a Deus - cumprindo hipocritamente os preceitos e rituais que, segundo as religiões, fazem ligar-nos a Deus - em troca de Deus favorecer o ego.

    E, até ofende os religiosos você dizer isso, porque eles enxergam como uma depreciação àquilo que consideram real, ou seja, àquilo que consideram sagrado e digno de crédito e respeito.

    Parei de orar há alguns anos atrás, quando passei a perceber que orando ou não orando a vida continuava a mesma. Por quê isto acontece? - Perguntava-me...

    Ainda citando Pai Joaquim, "tanto faz rezar ou não rezar. Que valor tem uma oração, se a pessoa reza a vida inteira para se casar e morre solteira?"

    A única oração possível para o ego é como prova para o Espírito.

    O silêncio do ego é a melhor oração. Conforme nossas próprias experiências, a eloqüência e a tagarelice dos egos produzem muitas vezes desentendimentos, suspeitas infundadas, ressentimentos e mágoas na grei. O falar demais, escrever demais, responder a tudo e a todos é sempre uma prova de "des-" oração.

    Sob outro ângulo, os Espíritos protetores que ouvem as preces dos egos, não se movimentam um milímetro sequer, quando esses pedidos são direcionados no sentido de se afastar as provas porque passa o Espírito. Se estivéssemos conscientes das nossas provas o tempo todo, jamais faríamos uma oração pedindo a Deus e aos Espíritos Protetores que nos afastassem as dificuldades, porque isto seria precisamente suspender a prova, o que, para o ego, parece bom, mas para o Espírito não.

    Abçs,




      Data/hora atual: Qua Nov 22, 2017 11:36 am