Filosofia Oriental e Espiritualismo Prático

Últimos assuntos

Navegação

Parceiros

Fórum grátis

    Kandinsky - Inspira -se na música e na Espiritualidade através de Helena Blavatsky

    Compartilhe

    Convidad
    Convidado

    Kandinsky - Inspira -se na música e na Espiritualidade através de Helena Blavatsky

    Mensagem  Convidad em Ter Jun 07, 2011 8:05 pm

    Para quem pensa que o Abstracionismo é um amontoado de formas e cores sem sentido, que qualquer um pode fazer engana-se redondamente.
    Todo o verdadeiro artista abstracionista parte do concreto para abstração e tem influência direta através de suas experiências sensoriais e vivências.
    No texto abaixo trago o pai do abstracionismo Wassily Kandinsky (Moscou, 4 de dezembro de 1866 — Neuilly-sur-Seine, 13 de dezembro de 1944),

    "Kandinsky é um dos artistas mais importantes na total reformulação que a arte sofre no início do século XX. Pode ser considerado um dos pais da arte abstrata, juntamente com o holandês Piet Mondrian e o russo Casimir Malevich. Foi não apenas um artista atuante, sendo um dos mentores das chamadas vanguardas artísticas, mas também um importante teórico e produtor cultural."

    Nascido em Moscou, no dia 4 de dezembro de 1866, formou-se em direito, profissão que abandonaria aos 30 anos para dedicar-se inteiramente à pintura. Após a separação dos pais em 1871, passou a ser criado por uma tia. Suas agudas sensibilidade e imaginação foram profundamente marcadas na infância pelos contos folclóricos russos e alemães que esta tia lia para ele.


    Outros dois fatores vão influenciar intensamente sua sensibilidade artística durante a juventude. Em 1889, aos 23 anos, realizando um trabalho de pesquisa para a Sociedade das Ciências Naturais, Etnográficas e Antropológicas, entra em contato com a intensamente cromática cultura campesina russa. A profusão de cores no mobiliário e nas vestimentas dos camponeses vai lhe dar a impressão de caminhar dentro de uma pintura viva. Em um quadro de 1907, A vida colorida, vemos como sua imaginação ficou marcada por este período.


    A vida colorida -1907


    Abstração

    Aos 30 anos, Kandinsky abandona a promissora carreira universitária em Moscou e muda-se para Munique, juntamente com sua jovem esposa e prima, Anya Chimiakin. Na efervescente metrópole alemã, procura ansiosamente obter os conhecimentos técnicos de arte que sentia carecer. Sob a influência do Impressionismo e da recém criada Jugenstijl (Art Nouveau, arte nova), matricula-se em vários cursos e participa da vida cultural bávara.

    Em 1901, funda com outros artistas a Phalanx, uma associação de artistas. Através desta associação, organiza diversas exposições, onde apresenta as obras de arte mais modernas da Europa, de diversos artistas da Art Nouveau, do Simbolismo e Impressionistas. Até 1904 foram organizadas 12 mostras de arte sem que, entretanto, suas próprias obras recebessem da crítica mais do que uma indiferença hostil. Dos escombros da Phalanx restaram apenas alguns amigos e Gabriele Münter, uma ex-aluna e também pintora, com quem Kandinsky manterá uma estreita ligação após a dissolução de seu casamento.

    De 1904 a 1909 vive e trabalha com Gabriele. Participa de diversas exposições, principalmente em Paris, onde entra em contato com o Fauve e o Cubismo. Em 1909 compra uma casa na pequena Murnau, e seu estilo revela a influência fauve, na escolha das cores vibrantes e nas grandes áreas coloridas com pouca ou nenhuma modulação tonal. Lê, nesta época, a fundamental tese de doutoramento de Wilhelm Worringer, Abstraktion und Einfühlung (Abstração e Empatia), de 1907, considerada a primeira (e mais importante) elaboração teórica sobre a validade estética da arte abstrata.

    A tese de Worringer sobre a arte abstrata parte da análise das relações entre o ser humano e a natureza. O autor afirma, grosso modo, que há duas grandes tendências na experiência humana no confronto com o mundo natural. Uma, pacífica, vê na natureza a fonte tranqüila dos recursos vitais. A natureza é a Grande Mãe que tudo dá, e com ela o ser humano desenvolve uma empatia que se revela através de uma arte que reproduz com maior ou menor justeza o que se vê no mundo natural. A segunda tendência, ao contrário, é conflituosa. A natureza é fonte, principalmente, de apreensões e de temores. O ser humano vive sacudido pelo pânico de ser devorado por algum animal ou lançado aos ares por algum cataclismo. A arte que este ser humano produz é uma arte que nega o mundo natural, que se afasta dele através da abstração.

    Kandinsky amplia, então, a sua intuição de que a arte, para ser esteticamente válida, não necessita do motivo natural, isto é, que uma arte significativa pode ser realizada também através do abstrato.

    Outro golpe importante na concepção de arte como reprodução de um objeto vem das leituras que Kandinsky realiza sobre tratados ocultistas, especialmente os da Sociedade Teosófica, fundada pela russa Helena Blavatsky. Assim como o artista Mondrian também proporá, Kandinsky vê no abandono do objeto pela pintura uma outra forma de se buscar a essência das coisas por trás das aparências. Para Kandinsky, ao invés de mediar seu espírito através do objeto representado, o artista deve utilizar-se da forma e da cor abstratas para revelar, diretamente, sua necessidade interior.


    Improvisação nº. 7, 1910, óleo sobre tela, 131x97 cm, Tretyakov Gallery, Moscou).

    A partir de 1909, Kandinsky passa a dividir sua produção pictórica em três grupos distintos. O primeiro grupo, Impressões, guardaria referência ainda a um motivo naturalista. O segundo grupo, Improvisações, pretendia ser o reflexo de um emoção espontânea. O terceiro grupo, Composição, o grau mais elevado de complexidade, onde as Improvisações seriam articuladas de forma mais completa. A linguagem musical utilizada por Kandinsky não era casual, mas sim intencional. Ele via a música como a mais formal das artes, isto é, aquela onde o ritmo e a tonalidade seriam apresentadas de maneira mais pura. (Improvisação nº. 7, 1910, óleo sobre tela, 131x97 cm, Tretyakov Gallery, Moscou).

    Esta evolução de Kandinsky revelou-se em diversas participações em exposições artísticas, mas recebeu da crítica uma acolhida extremamente hostil. Chegaram a afirmar que suas pinturas só podiam ser obra de um louco ou de um "viciado em morfina ou haxixe". Mesmo a Nova Associação dos Artistas de Munique (NKVM), co-fundada por Kandinsky em 1909, vai impedir a participação de um de seus trabalhos em uma exposição de 1911.
    http://cache2.allpostersimages.com/p/LRG/9/929/OXWX000Z/posters/kandinsky-wassily-impression-iii-concert-1911.jpg

    Com a separação da NKVM, Kandinsky funda o movimento Der Blaue Reiter (O Cavaleiro Azul) em 1911, juntamente com vários outros artistas, entre os quais Franz Marc e Gabriele Münter. A primeira exposição do movimento em 18 de dezembro daquele ano, contaria com a publicação da primeira obra teórica de Kandinsky, Do espiritual na arte, onde o artista expõe as razões estética de seu trabalho. O Cavaleiro Azul representou a ruptura completa com a representação do objeto na pintura. A forma e a cor emancipam-se da figura e desvelam a autêntica carga espiritual que as motivou.

    "Necessidade interior"

    O livro Do espiritual na arte é uma suma das idéias estéticas de Kandinsky. O ponto de partida de sua concepção artística é a visão profética da vida espiritual da humanidade. O artista compara o momento espiritual da sociedade a uma pirâmide, onde a base representa o que há de mais material e o ápice o que há de mais espiritual. A base avança lentamente na direção de seu ápice, isto é, tornando-se mais e mais despojada de sentimentos mesquinhos e materialismo, alcançando com muito esforço o que o ápice da pirâmide vivenciava ontem. Os que ocupam o ápice da pirâmide, ao contrário, são poucos, algumas vezes resumem-se a apenas um ser humano que, incompreendido pela maioria, é responsável por fazer avançar toda a humanidade.

    Neste sentido, a atividade criadora artística tem uma conotação messiânica, uma função de revelar à maioria da humanidade os novos parâmetros do progresso espiritual. Era assim que Kandinsky concebia a atividade artística que elaborava o abstracionismo. Para ele, "todo aquele que mergulhar nas profundezas da sua arte, à procura de tesouros invisíveis, trabalha para elevar esta pirâmide espiritual, que alcançará o céu". (Do espiritual...).

    A maneira que tem o artista de alcançar a alma de cada forma e de cada cor, bem como de cumprir seu papel messiânico no progresso espiritual da humanidade é seguir o "guia infalível", a necessidade interior. Esta é composta de três componentes:

    Elemento da personalidade, o que é próprio de cada artista, enquanto ser criador.
    Elemento próprio de cada época, da cultura de um povo.
    Elemento artístico puro e eterno, que é próprio da Arte.
    Destes três componentes, o mais importante é, para Kandinsky, o terceiro. Mas ele não fala da arte enquanto atividade cultural humana mas, sim, enquanto produto elevado do espírito. Kandinsky chega mesmo a, explicitamente, criticar as teorias da arte pela arte, isto é, aquelas teorias que vêem na arte como uma atividade auto-compensatória, que se justifica por si mesma. A Arte com "A" maiúsculo de Kandinsky é uma expressão do Espírito.

    Sendo assim, ao contrário do que possa parecer, a necessidade interior não corresponderia a uma vontade pessoal do artista, ou à expressão de seus sentimentos íntimos ou de seu ponto de vista pessoal. A componente final e última da razão da criação seria, na verdade, um componente espiritual objetivo, cuja origem não se encontra no artista mas, sim, em teorias místicas e religiosas. Ao artista caberia sintonizar-se com este princípio e, a partir dele, buscar as melhores formas e cores com os quais o traduzir.

    Evolução da Arte de Kandinsky

    O casal de cavaleiros, 1906-7, óleo sobre tela, Lenbachhaus, Munique

    Igreja em Murnau, 1910, óleo sobre cartão, Lenbachhaus, Munique

    Black Spot I, 1912, óleo sobre tela, 100x130 cm, Hermitage

    http://www.auladearte.com.br/historia_da_arte/images/kandinsky15.jpg Em cinza, 1919, óleo sobre tela, Musée National d'Art Moderne, Centre Georges Pompidou

    Linha transversa, 1923, óleo sobre tela, 141x202 cm, Kunstsammlung Nordrhein-Westfalen, Dusseldorf

    Composição IX, 1936, óleo sobre tela, Musée national d'Art Moderne, Georges Pompidou

    Composição X, 1939, óleo sobre tela, Kunstsammlung Nordrhein-Westfalen

    Fonte: Aula de Arte de Joao Werner
    http://www.auladearte.com.br/historia_da_arte/kandinsky_galeria.htm

      Data/hora atual: Seg Jun 26, 2017 8:16 pm