Filosofia Oriental e Espiritualismo Prático

Últimos assuntos

Navegação

Parceiros

Fórum grátis

    O CHAMADO INTERIOR

    Compartilhe

    Convidad
    Convidado

    O CHAMADO INTERIOR

    Mensagem  Convidad em Dom Jul 17, 2011 11:31 pm

    O CHAMADO INTERIOR
    (jcl, ribeirão preto, mar 2006)

    Senhor,
    Inspira-me, todos os instantes, a procurar-Te,
    Na melodia,
    Na flor,
    No ramo oscilando ao vento,
    No pássaro que canta alegremente,
    Na cor da nuvem tocada pelo sol poente,
    No murmúrio das águas buliçosas,
    No sorriso da criança inocente,
    No olhar da mãe para o filhinho que dorme,
    Na ternura dos enamorados,
    Na pele enrugada da mulher sofrida,
    No suor da testa do doente, que teima em sorver o ar precioso,
    No olhar triste do pobre, cobiçando, pregado à vitrine,
    O brinquedo impossível para o filho...

    Senhor,
    Parece que mais Te recordo naquelas coisas
    Tristes,
    Melancólicas,
    Singelas.
    Talvez porque nos toquem mais agudamente o coração,
    E nos comovam
    E levem a meditar na solução
    Que não é nossa,
    Mas que virá quando o homem se despir
    De seu manto de ambição,
    Desamor,
    Malícia,
    Egoísmo,
    Ignorância,
    E perceber que somos todos irmãos,
    Semelhantes ou iguais,
    Viajores do mesmo barco,
    Atrás, sem o saber, das mesmas experiências,
    Buscando, inconscientemente,
    O mesmo objetivo,
    Que és Tu.

    E, como a mim, inspiras a todos,
    Mas não Te ouvimos o chamado.
    Nossa mente está sempre cheia de outros apelos,
    E não há, quase nunca, lugar para o Teu.
    São apelos tentadores,
    Com vestes coloridas,
    Odores embriagantes,
    Sons sedutores,
    Roçares suaves e doces,
    Mas que, após o atendimento,
    Despem suas máscaras
    Mostrando-nos a queda,
    A cilada,
    A decadência,
    A escuridão.

    Ó, Divino Inspirador,
    Continua Teu trabalho
    De nos chamar sutilmente,
    De longe e de perto,
    De fora e de dentro.
    Aos poucos, nos voltaremos a Ti
    Quando houver cansaço dos convites
    Das sereias do poder,
    Da beleza,
    Da embriaguez dos sentidos.
    Das ilusões que cercam nossos dias,
    Com molduras tentadoras
    E tentadoras circunstâncias.
    Inspira-nos, Senhor, pois permanecemos nas trevas,
    Ferindo pés e mãos nas quedas do caminho
    E não percebemos que Tu
    És a própria força que nos leva a procurar-Te,
    E, de olhos mentais
    Fechados,
    Preconceituosos,
    Iludidos,
    Não percebemos que Te buscamos
    Onde não podemos Te encontrar
    Pois que Tu estás tão perto,
    Junto de nós,
    Bem aqui,
    No coração.

      Data/hora atual: Qui Mar 30, 2017 6:40 pm