Filosofia Oriental e Espiritualismo Prático

Últimos assuntos

Navegação

Parceiros

Fórum grátis

    O QUE É O EGO? COMO ELIMINÁ-LO?

    Compartilhe

    Convidad
    Convidado

    O QUE É O EGO? COMO ELIMINÁ-LO?

    Mensagem  Convidad em Sex Set 23, 2011 11:43 pm



    O que é o “ego”? Como eliminá-lo?

    Vamos tentar ter uma idéia: quando a criança vem ao mundo, no aconchego e junto ao calor e aroma da mãe, ao alimento que lhe dá vida, nada a perturba, tudo a faz feliz e tranqüila, tudo está perfeito, está num verdadeiro paraíso. Mas, essa perfeição dão dura pois, de repente, surgem dores, fome, frio, deixa cair ou lhe roubam o objeto que tem nas mãos, um ruído mais forte a assusta... e a felicidade, o paraíso se vão... Qdo tudo estava perfeito, o “eu” da criança descobre o “não-eu”, o mundo ameaçador ao seu redor; e, inconscientemente, cria uma defesa (psicológica) frente a esse mundo adverso, defesa que tentará poupá-la de qualquer sofrimento ou contratempo até seus últimos dias. Essa defesa observa, fiscaliza, seleciona, e (sempre com um ‘pé atrás’) desconfia de tudo. Como um crivo, tenta só deixar passar o que for bom e agradável para nós; esse é o ego, que nos acompanha desde o nascimento até a morte e procura nos defender contra o mundo. Mas, como tudo procura fazer a nosso favor, como é extremamente parcial, injusto e só vê a vida naquilo que seja agradável e benéfico para nós, faz uma interpretação do mundo extremamente suspeita, não confiável, mas que consideramos perfeitamente natural. Vemos o mundo e o interpretamos através de sua miopia que, como espesso véu, não nos deixa perceber a realidade. Assim, não percebemos o que e quem realmente somos, que o “eu” é uma ilusão (maya), que a separatividade (o dualismo) não existe, e ficamos cheios de ilusões. Crê ou descrê disso e daquilo e fica totalmente condicionado ao que as tradições, costumes, cultura, crenças, religiões, sociedade, suposições lhe impõem, desde que abrimos os olhos.

    Como é fruto de nossa mente individual que, por sua vez, é manifestação através de cérebro bem ou mal estruturado, esse ego age e reage de acordo com as circunstancias e com o que já aprendeu na escola, do bem e do mal, que é a vida (condicionamentos), errando, e se (nos) iludindo.

    E sofremos por nos tornarmos escravos dos atrativos do mundo (riquezas, posses, beleza, saúde, amizades, amores, afetos, vícios, sexo, poder, prestígio, fama); julgamos que são coisas duradouras mas, como tudo é incerto e impermanente, sofremos porque, quando menos esperamos, cessam.

    o ego é a causa de todos os sofrimentos do mundo, mesmo os produzidos pelas forças da natureza. O ego é o único obstáculo entre nós e Deus. Eliminado, removido o véu, curada a miopia, vemos o Real e nos confundimos com ele.

    Como eliminá-lo? Há duas maneiras pelas quais ele cessa: pela “iluminação”, ainda no corpo físico, ou pela morte biológica, qdo, automaticamente, ele se “dissolve”. Já vimos q todos os problemas do homem se resumem num só: na interpretação equivocada do ego/mente individual em relação à vida e ao que somos realmente. Logo, a solução é, como ensinam os mestres, os iluminados e hoje a ciência moderna: eliminar o ego/mente individual. (Blavatsky, fundadora da Teosofia, disse: "a mente é a assassina de Deus; mate a assassina"; Mahasaru Tnagushi, fundador da Seicho-no-ie: "quando o ego é anulado, Deus se manifesta"). E o profeta do Antigo Testamento ensinou como anulá-lo: "aquieta-te e sabe: eu sou Deus", como Jesus tb disse: “... e, em oculto (silencio externo e interno) fala ao Pai que, em oculto te ouve”. Eliminado o ego, cessam as interpretações equivocadas e parciais e seus conseqüentes condicionamentos; finda a ignorância e, consequentemente, os sofrimentos: há sabedoria, bem-aventurança e amor.

    Onde encontrar mais sobre isso? Todo o misticismo ensina como anular o ego; em toda literatura dos místicos (orientais e ocidentais) e nas conclusões da ciência atual, está como fazer isso.

    No Blog abaixo estão colocados textos a respeito; façam-lhe uma visita. Também no site do Fórum Espírita, no tópico “Carta ao Buscador de Deus”.

    http://www.obuscadordedeus.blogspot.com.

    Abraço.





    Nairan

    Mensagens: 5
    Data de inscrição: 16/01/2012

    Re: O QUE É O EGO? COMO ELIMINÁ-LO?

    Mensagem  Nairan em Sex Jan 20, 2012 10:03 pm

    Como é fruto de nossa mente individual que, por sua vez, é manifestação através de cérebro bem ou mal estruturado, esse ego age e reage de acordo com as circunstancias e com o que já aprendeu na escola, do bem e do mal, que é a vida (condicionamentos), errando, e se (nos) iludindo.

    Se é fruto de nossa mente individual como podemos dizer que não existe??

    Se temos uma mente individual, é incoerente falar em unicidade, se fazemos parte de um todo único, e o EGO não passa de ilusão, então não temos mente individual, seriamos apenas um sonho ou um devaneio do todo, nada mais, nesse caso o erro ou equivoco, ou como queiram chamar não seria nosso mas sim do todo que esta em devaneio tresloucado e equivocado. Não nos caberia, portanto, nem o questionar, muito menos o buscar entendermos ou corrigirmos o erro, já que se ele existe é fruto do equivoco do todo. Somos todos obra do erro de Deus??

    …quando a criança vem ao mundo, no aconchego e junto ao calor e aroma da mãe, ao alimento que lhe dá vida, nada a perturba, tudo a faz feliz e tranqüila, tudo está perfeito, está num verdadeiro paraíso. Mas, essa perfeição dão dura pois, de repente, surgem dores, fome, frio, deixa cair ou lhe roubam o objeto que tem nas mãos, um ruído mais forte a assusta... e a felicidade, o paraíso se vão...

    Somente nos sonhos de pessoas românticas houve um tempo de total tranquilidade e perfeição, na realidade a corrida para existir e se manter como ser já começa antes mesmo de sermos concebidos, com a furiosa busca dos espermatozóides que buscar chegar ao óvulo, e prossegue durante toda a gestação vencendo deficiências nutricionais, ataques de agentes químicos e físicos das mais variadas formas e origens, internas e externas ao útero da mãe, começando pelo próprio sistema de defesa materno que vê o feto como um corpo estranho e tenta elimina-lo, abrigando ao próprio organismo da mãe a buscar outras formas de proteger o feto, e exigindo desse mesmo feto que se fortaleça para suportar todos esses ataques

    o “eu” da criança descobre o “não-eu”, o mundo ameaçador ao seu redor; e, inconscientemente, cria uma defesa (psicológica) frente a esse mundo adverso, defesa que tentará poupá-la de qualquer sofrimento ou contratempo até seus últimos dias.

    A mim isso parece como uma função básica para a existência como seres individuais, pois é isso que somos, seres individuais, se não fosse assim não haveria o porque desse teatro todo, se somos parte de um todo individual, e sem particularidades, então não há o que aprender, já sabemos tudo, não há porque nos dividirmos em pedaços pequenos, a não ser por alguma frivolidade absurda nesse todo que não se auto conhece.

    E sofremos por nos tornarmos escravos dos atrativos do mundo (riquezas, posses, beleza, saúde, amizades, amores, afetos, vícios, sexo, poder, prestígio, fama); julgamos que são coisas duradouras mas, como tudo é incerto e impermanente, sofremos porque, quando menos esperamos, cessam.

    Não é por essas coisas que sofremos, sofremos porque somos privados da liberdade básica em buscarmos a parcela dessas coisas que nos são necessárias para sobrevivermos e termos autonomia e um mínimo de tranquilidade, e porque, de tanto sermos cerceados em nossas necessidades básicas, aprendemos a não tolerar mais abusos e privações ou então nos sujeitamos a elas sem questionar mais o porque de nossa desgraça, seja como for, nos tornamos infelizes e fazemos infelizes quem esta ao nosso lado também.

    o ego é a causa de todos os sofrimentos do mundo, mesmo os produzidos pelas forças da natureza. O ego é o único obstáculo entre nós e Deus. Eliminado, removido o véu, curada a miopia, vemos o Real e nos confundimos com ele.

    Aqui reside a maior falácia de todas, o erro das religiões e o porque a humanidade tem falhado seguidamente em educar corretamente seus membros e formar pessoas realmente maduras e capazes, conscientes e responsáveis, não é o EGO que é a causa dos sofrimentos do mundo, mas um EGO mal formado e imaturo, nos somos o EGO, somos seres individuais, e como sociedade deveríamos a muito já termos encontrado meios mais eficientes de proteger e formar o EGO de nossas crianças através de uma educação realmente eficaz, calcada no fortalecimento das emoções, dos relacionamentos, da maneira como não somente o cérebro funciona em suas bases bioquímicas e fisiológicas, mas também nos mecanismos que fazem a mente criar e manter todo seu arcabouço de simbologias, inter-relacões, interpretações e formação de pensamentos.

    Não temos que eliminar o EGO, de forma nenhuma, temos que fortalece-lo e educa-lo para que nos tornemos pessoas realmente inteiras.

    Um EGO bem formado não se fecha em si mesmo, ao contrario, se abre para o mundo exterior pois reconhece sua existência real e consegue diferenciar de forma mais plena os limites entre o EU e o NÃO-EU, o EU e o OUTRO o EU INTERNO e o NÃO-EU EXTERNO

    Não é pregando um mergulho em uma unicidade que será alcançada somente quando tudo estiver reduzido a nada ou a uma sopa indiferenciada que vamos criar homens dignos e completos, mas sim fazendo deles seres realmente cientes de sua individualidade, e da individualidade de cada outra pessoa, e da responsabilidade que isso representa, somente compreendendo nosso verdadeiro lugar e nossa verdadeira natureza poderemos crescer, não através de mentiras e sonhos românticos e floreados de paraísos feitos sob encomenda para calar a consciência e manter nossos Egos aleijados e despreparados.

    Monstrinho

    Mensagens: 145
    Data de inscrição: 22/05/2011

    Re: O QUE É O EGO? COMO ELIMINÁ-LO?

    Mensagem  Monstrinho em Dom Jan 29, 2012 1:50 am

    Como é fruto de nossa mente individual que, por sua vez, é manifestação através de cérebro bem ou mal estruturado, esse ego age e reage de acordo com as circunstancias e com o que já aprendeu na escola, do bem e do mal, que é a vida (condicionamentos), errando, e se (nos) iludindo.

    Nairan escreveu:Se é fruto de nossa mente individual como podemos dizer que não existe??

    Se temos uma mente individual, é incoerente falar em unicidade, se fazemos parte de um todo único, e o EGO não passa de ilusão, então não temos mente individual, seriamos apenas um sonho ou um devaneio do todo, nada mais, nesse caso o erro ou equivoco, ou como queiram chamar não seria nosso mas sim do todo que esta em devaneio tresloucado e equivocado. Não nos caberia, portanto, nem o questionar, muito menos o buscar entendermos ou corrigirmos o erro, já que se ele existe é fruto do equivoco do todo. Somos todos obra do erro de Deus??

    Olá, Nairan, novo companheiro e membro do fórum!

    Amigo, a mente é o próprio ego. Se existe um Espírito, um Atman ou um Self, obviamente nós não o conhecemos, como observou Freud. Aliás ninguém sabe o que é o inconsciente. Esses dias estava lendo alguma coisa sobre a questão do "ego, id e superego" na teoria do Freud, em um livro sobre "Teorias da Personalidade", e achei muito interessante a forma como o próprio Freud enxerga o ego. Segundo ele, a função do ego é de auto-preservação e da busca do prazer e fuga do desprazer.


    …quando a criança vem ao mundo, no aconchego e junto ao calor e aroma da mãe, ao alimento que lhe dá vida, nada a perturba, tudo a faz feliz e tranqüila, tudo está perfeito, está num verdadeiro paraíso. Mas, essa perfeição dão dura pois, de repente, surgem dores, fome, frio, deixa cair ou lhe roubam o objeto que tem nas mãos, um ruído mais forte a assusta... e a felicidade, o paraíso se vão...

    Nairan escreveu:Somente nos sonhos de pessoas românticas houve um tempo de total tranquilidade e perfeição, na realidade a corrida para existir e se manter como ser já começa antes mesmo de sermos concebidos, com a furiosa busca dos espermatozóides que buscar chegar ao óvulo, e prossegue durante toda a gestação vencendo deficiências nutricionais, ataques de agentes químicos e físicos das mais variadas formas e origens, internas e externas ao útero da mãe, começando pelo próprio sistema de defesa materno que vê o feto como um corpo estranho e tenta elimina-lo, abrigando ao próprio organismo da mãe a buscar outras formas de proteger o feto, e exigindo desse mesmo feto que se fortaleça para suportar todos esses ataques


    Sim, concordo com você! Mesmo dentro da barriga da mãe, o feto está cercado de mil perigos e ameaças, mas você apenas fez uma abordagem do ponto de vista biológico.

    Aqui, tanto em Freud como nas teorias orientais, sobre o ego, vemos que o ego é uma estrutura psico-social criada a partir do nascimento e desenvolvimento da criança. Outros perigos a cercam além dos de ordem material e biológica: a necessidade de sobreviver socialmente e para isto, o ego cumpre e segue normas sociais que já estão dadas, sem questioná-las, mas já as têm como verdadeiras.


    o “eu” da criança descobre o “não-eu”, o mundo ameaçador ao seu redor; e, inconscientemente, cria uma defesa (psicológica) frente a esse mundo adverso, defesa que tentará poupá-la de qualquer sofrimento ou contratempo até seus últimos dias.

    Nairan escreveu:A mim isso parece como uma função básica para a existência como seres individuais, pois é isso que somos, seres individuais, se não fosse assim não haveria o porque desse teatro todo, se somos parte de um todo individual, e sem particularidades, então não há o que aprender, já sabemos tudo, não há porque nos dividirmos em pedaços pequenos, a não ser por alguma frivolidade absurda nesse todo que não se auto conhece.

    Amigo, talvez você esteja confundindo Monismo com Panteísmo. Segundo este último, ao morrermos, voltamos sem consciência a uma fonte de inteligência universal como princípios inteligentes confundidos numa mesma massa.

    Mas o Monismo diz apenas que, aquilo que nós enxergamos e percepcionamos como dois, não é senão UM.

    As nossas individualidades enquanto seres sociais, são construídas socialmente. O "não-eu", nessa perspectiva, seria tudo aquilo que não sou "eu": é a alteridade, o outro, aquilo que eu vejo como estando separado de mim.


    E sofremos por nos tornarmos escravos dos atrativos do mundo (riquezas, posses, beleza, saúde, amizades, amores, afetos, vícios, sexo, poder, prestígio, fama); julgamos que são coisas duradouras mas, como tudo é incerto e impermanente, sofremos porque, quando menos esperamos, cessam.

    Nairan escreveu:Não é por essas coisas que sofremos, sofremos porque somos privados da liberdade básica em buscarmos a parcela dessas coisas que nos são necessárias para sobrevivermos e termos autonomia e um mínimo de tranquilidade, e porque, de tanto sermos cerceados em nossas necessidades básicas, aprendemos a não tolerar mais abusos e privações ou então nos sujeitamos a elas sem questionar mais o porque de nossa desgraça, seja como for, nos tornamos infelizes e fazemos infelizes quem esta ao nosso lado também.

    Justamente! Sofremos por tudo isso que você disse. Mas como buscar a "parcela das coisas que nos são necessárias", se o mundo com as suas injustiças sociais nos impede disso? Como buscar a nossa autonomia num mundo onde somos, contra a nossa vontade, constrangidos a estarmos sujeitos a ter um chefe, a ter que trabalhar - e muitas vezes não temos condições de escolher o trabalho e o salário que queremos - para sustentar a nossa família?

    "De tanto sermos cerceados em nossas necessidades básicas, aprendemos a não tolerar mais abusos e privações [...]". Pois, aqui você está apenas repetindo aquilo que o Coronel já tinha dito no trecho acima citado por você. Por que o indivíduo se torna mau, violador das leis, competitivo socialmente, violento, irritado e às vezes anti-social? Justamente porque, não é por livre-vontade que ele escolhe ser assim, mas, é precisamente devido a esse cerceamento, que esse tipo de comportamento descrito por você toma corpo, porque, como foi dito, o ego cria essas defesas para sobreviver socialmente.

    Ora, uma vez que não é possível se sobrepor a essas injunções sociais que contrariam nossa vontade se ser livre, que nos impede de ser livres, "termos autonomia e um mínimo de tranqüilidade", é que os sábios de todos os tempos nos ensinaram a nos desligar a nos desapegar de todas essas coisas que supostamente nos trazem autonomia e tranqüilidade.


    o ego é a causa de todos os sofrimentos do mundo, mesmo os produzidos pelas forças da natureza. O ego é o único obstáculo entre nós e Deus. Eliminado, removido o véu, curada a miopia, vemos o Real e nos confundimos com ele.

    Nairan escreveu:Aqui reside a maior falácia de todas, o erro das religiões e o porque a humanidade tem falhado seguidamente em educar corretamente seus membros e formar pessoas realmente maduras e capazes, conscientes e responsáveis, não é o EGO que é a causa dos sofrimentos do mundo, mas um EGO mal formado e imaturo, nos somos o EGO, somos seres individuais, e como sociedade deveríamos a muito já termos encontrado meios mais eficientes de proteger e formar o EGO de nossas crianças através de uma educação realmente eficaz, calcada no fortalecimento das emoções, dos relacionamentos, da maneira como não somente o cérebro funciona em suas bases bioquímicas e fisiológicas, mas também nos mecanismos que fazem a mente criar e manter todo seu arcabouço de simbologias, inter-relacões, interpretações e formação de pensamentos.

    Não temos que eliminar o EGO, de forma nenhuma, temos que fortalece-lo e educa-lo para que nos tornemos pessoas realmente inteiras.

    Um EGO bem formado não se fecha em si mesmo, ao contrario, se abre para o mundo exterior pois reconhece sua existência real e consegue diferenciar de forma mais plena os limites entre o EU e o NÃO-EU, o EU e o OUTRO o EU INTERNO e o NÃO-EU EXTERNO

    Não é pregando um mergulho em uma unicidade que será alcançada somente quando tudo estiver reduzido a nada ou a uma sopa indiferenciada que vamos criar homens dignos e completos, mas sim fazendo deles seres realmente cientes de sua individualidade, e da individualidade de cada outra pessoa, e da responsabilidade que isso representa, somente compreendendo nosso verdadeiro lugar e nossa verdadeira natureza poderemos crescer, não através de mentiras e sonhos românticos e floreados de paraísos feitos sob encomenda para calar a consciência e manter nossos Egos aleijados e despreparados.


    Ver a esse respeito o livro de Joseph Campbell, "As Máscaras de Deus", item, Duas Interpretações a Respeito do Ego

    Segundo os ocidentais, o ego deve ser tornar maduro, desenvolver-se. O que significa isso? Significa que, desde cedo, deve se educar a criança no sentido de ela respeitar os pais, as leis e as autoridades, estudar, arrumar um emprego, casar-se,ter filhos, ser honesto e assim por diante.

    Aquilo que você chama de "ego bem formado e maduro" o que é senão esses homens que constituíram uma família, que arrumaram um bom emprego, e que por isso mesmo são considerados egos maduros e bem formados?

    Repare, que não somos nós que escolhemos ter um ego maduro e bem formado, mas é a sociedade que decide o que é um ego bem maduro e formado. Enquanto tudo corre bem com esse ego - tem bom emprego, família bem estruturada, amigos, bons relacionamentos sociais - ele consegue se manter "maduro e bem formado", mas eis que ele já não tem um bom emprego, a sua família se desestrutura, já não tem amigos e não tem vontade de relacionar-se socialmente, para onde é que foi esse ego "maduro e bem formado"? Ele se tornou deformado e imaturo ou aquele ego bem formado e maturo nunca existiu?

    Esse discurso seu é aparentemente lógico, mas vemos que, para que houvesse na sociedade apenas egos maturos e bem formados, não poderia haver as desigualdades e a extrema competição social que há.

    Sobre a questão da unicidade, e a sua proposta de se criar egos maduros e homens "dignos", o que posso dizer é que toda essa "dignidade" ou "indignidade" é criada socialmente. Sim! Temos o desejo que todos se tornem dignos, maduros e homens de bem, mas infelizmente não somos nós que escolhemos isso. Ao contrário, é a sociedade que faz de cada um o que é.

    Abçs,


    Nairan

    Mensagens: 5
    Data de inscrição: 16/01/2012

    Re: O QUE É O EGO? COMO ELIMINÁ-LO?

    Mensagem  Nairan em Ter Fev 07, 2012 6:43 pm

    Aquilo que você chama de "ego bem formado e maduro" o que é senão esses homens que constituíram uma família, que arrumaram um bom emprego, e que por isso mesmo são considerados egos maduros e bem formados?

    Muito pelo contrário, o que eu condeno é exatamente essa visão de que o homen deve ser uma marionete ao sabor das correntes de moral temporária e ditadas pelas variações sociais vigentes, que mudam de dia a dia.

    O EGO sadio, é aquele que sabe se identificar como ser pensante e responsável por seus atos, que sabe ver o outro como individual, mesmo que muito parecido consigo próprio, e por isso mesmo merecedor de respeito, atenção, cuidado, os mesmos cuidados que ele mesmo desejaria para sí próprio, justamente o que condeno é o descaso com a educação real das nossas crianças, não no sentido de serem educadas segundo os principios da tradição familia e propriedade, mas no sentido de serem educadas a pensar com clareza, se fazendo agentes de suas próprias decisões e escolhas, sentir com equilibrio, aceitando, as consequencias das ações advindas desse sentir, atuarem como seres não apenas inteligentes, mas com sabedoria, procurando o equilibrio antes das satisfações diretas de suas vontades apenas.

    a diferença, é que eu advogo isso atravéz da educação real, calcada na realidade do mundo, que mesmo não tendo atingido um estado mais pleno de atuação, é possível, e espero eu, venha a se tornar realidade em algum momento futuro da humanidade, enquanto a outra forma de ver isso remete para uma outra possivel realidade, e para uma entidade alheia ao homem, seja Deus, espirito, alma, nirvana ou que nome se queira dar a isso a função de realizar esse aprendizado no homem, coisa que somente a ele pertence a ninguém mais, isso para mim é o EGO bem formado, não aquele que esta preso aos ditames sociais de trabalho estudo casamento e por ai à fora

    Máscaras de Deus

    Mensagens: 30
    Data de inscrição: 28/05/2011

    Re: O QUE É O EGO? COMO ELIMINÁ-LO?

    Mensagem  Máscaras de Deus em Dom Abr 08, 2012 2:29 am


    Nairan

    Mensagens: 5
    Data de inscrição: 16/01/2012

    Re: O QUE É O EGO? COMO ELIMINÁ-LO?

    Mensagem  Nairan em Ter Abr 10, 2012 7:51 pm

    [/quote]em Dom Abr 08, 2012 2:29 am
    Duas Interpretações a Respeito do Ego[quote]


    Lendo todo o texto, me salta a vista a linguagem metafórica utilizada, o que não é de se estranhar em se tratando de questão religiosa.

    Porém o que me parece mais importante em notar e citar sobre o texto, é a dependência da crença de que a metáfora represente uma verdade universal apresentada, sem abrir, nem como possibilidade, o entender a metáfora como o que ela é realmente, uma representação de um pensamento, ou figura de uma forma de pensar.

    Ou seja a própria metáfora não passa de uma forma de ilusão, como aquela que ela tenta mostrar sendo a realidade do mundo na existência.

    Mas se ela for vista como uma verdadeira metáfora, ou ilusão, então toda a verdade por ela apresentada também é de certa forma ilusória, em suma ela deveria ser entendida como uma lição, uma alegoria para basear uma maneira de pensar, uma representação em uma aula que um professor ensina a um aluno, ou coisa parecida, mas nunca como a representação da verdade de como as coisas são.

    Nessas duas visões do EU,o que fica claro mesmo é como as linhas de desenvolvimento das sociedades orientais e ocidentais caminharam durante os séculos em que se formaram relativamente separadas uma da outra.

    Na visão ocidental, acabou por prevalecer a necessidade de iniciativa, de se preparar para enfrentar os desafios de forma agressiva e muitas vezes individualista para sobreviver aos diversos desafios que se apresentaram para os povos europeus, e mais tarde americanos, os poderes saltavam de mão em mão, as dinastias e reis se sucediam as vezes da noite para o dia, e da mesma forma a religiosidade foi se cristalizando na forma de uma igreja centralizadora, que derivou nos conceitos de divindade única do cristianismo.

    Já no oriente as coisas se passaram de forma mais calma, pelo menos no que se refere à sucessão de reinados e dominações, as guerras eram mais intestinas, mais reclusas dentro dos próprios clãs e etnias, por longos períodos, as classes dominantes se mantiveram no poder, tanto secular, quanto religioso, o que originou as segregações classistas na forma de castas, só para citar o mais obvio dos artefatos usados pelos dominantes para manter os dominados sob jugo.

    As duas visões do EGO mostram apenas como se buscou posicionar o indivíduo dentro destas realidades dispares.

    No ocidente a tentativa de formar indivíduos independentes, e agressivos que tivessem capacidade para vencer os desafios.

    No oriente a tentativa de formar indivíduos passivos, desapegados que não representassem risco ou perigo para as classes dominantes, que se conformassem com sua posição no clã e na sociedade.

    As duas formas de ver o EGO tiveram seu momento, e suas razões, mas as duas estão igualmente erradas, visto que ajudaram a formar pessoas adaptadas a uma realidade social restrita e as duas carregam também a culpa de fazerem isso obrigando aos indivíduos a ficarem presos em crenças para não romperem o padrão estabelecido.

    Já passou da hora de se promover um fortalecimento de um EGO realmente forte e autônomo, que não dependa de crenças nem que fique preso a interesses sociais de convivência restrita a certos conceitos dominantes.

    Mesmo que alguém acredite que a realidade é só uma farsa, mesmo assim é nessa farsa que todos vivemos, e portanto é nela que temos que aprender a sermos indivíduos que possam ao mesmo tempo se responsabilizar pelas ações praticadas, pelas decisões escolhidas, mas também que possam ter compaixão pelos que não possuam tanta sorte ou que passem por privações, que não descarreguem suas responsabilidades em cima de suas crenças.

    Monstrinho

    Mensagens: 145
    Data de inscrição: 22/05/2011

    Re: O QUE É O EGO? COMO ELIMINÁ-LO?

    Mensagem  Monstrinho em Qua Abr 11, 2012 7:32 pm

    Nairan escreveu:

    Já passou da hora de se promover um fortalecimento de um EGO realmente forte e autônomo, que não dependa de crenças nem que fique preso a interesses sociais de convivência restrita a certos conceitos dominantes.

    Mesmo que alguém acredite que a realidade é só uma farsa, mesmo assim é nessa farsa que todos vivemos, e portanto é nela que temos que aprender a sermos indivíduos que possam ao mesmo tempo se responsabilizar pelas ações praticadas, pelas decisões escolhidas, mas também que possam ter compaixão pelos que não possuam tanta sorte ou que passem por privações, que não descarreguem suas responsabilidades em cima de suas crenças.

    Olá,

    A meu ver, você fez apenas uma interpretação política das "duas interpretações a respeito do ego".

    Eu já li esse texto várias vezes e sei que a conotação dele não é política.

    E também, a visão "oriental" do ego não está tão somente no oriente. Se pudermos levar em conta que Jesus, e toda tradição cristã posterior após Paulo de Tarso é ocidental, então podemos encontrar nessa tradição a mesma visão do ego, senão vejamos:

    Coríntios

    Porque, quem te faz diferente? E que tens tu que não tenhas recebido? E, se o recebeste, por que te glorias, como se não o houveras recebido?

    Acerca dos dons espirituais, não quero, irmãos, que sejais ignorantes.

    Ora, há diversidade de dons, mas o Espírito é o mesmo Shocked .

    E há diversidade de ministérios, mas o Senhor é o mesmo.

    E há diversidade de operações, mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos.

    Mas a manifestação do Espírito é dada a cada um, para o que for útil.

    Porque a um pelo Espírito é dada a palavra da sabedoria; e a outro, pelo mesmo Espírito, a palavra da ciência;

    E a outro, pelo mesmo Espírito, a fé; e a outro, pelo mesmo Espírito, os dons de curar;

    E a outro a operação de maravilhas; e a outro a profecia; e a outro o dom de discernir os espíritos; e a outro a variedade de línguas; e a outro a interpretação das línguas.

    Mas um só e o mesmo Espírito opera todas estas coisas, repartindo particularmente a cada um como quer.



    Todos esses enumerados com portadores de dons de curar, de falar línguas, de ter sabedoria, de operação de maravilhas, de profecias, da ciência e etc, são todos egos e a manifestação, ou seja, o próprio dom de fazer isto ou aquilo, vem de uma mesma fonte, de um mesmo Espírito ou de um mesmo Deus - daí que não é à toa que o título deste fórum seja "Máscaras de Deus", pois é isso o que o texto acima está dizendo, e veja que ele é um texto "ocidental".

    Em relação ao seu texto, pois que referenda as "decisões escolhidas", o trecho aí selecionado de Paulo de Tarso diz que você não escolhe nada, tanto do ponto de vista espiritual quanto sócio-político, tanto faz...


    De um ponto de vista sócio-antropológico - e político, que é a sua abordagem - o ego é construído socialmente não para que os indivíduos se fortaleçam contra o poder dominante, não! Muito pelo contrário: o ego é criado a fim de que o indivíduo se adapte às regras, tradições e convenções sociais, a fim de que ele não se torne um problema para as classes dominantes e para a própria sociedade.

    Antes de continuar, peço que dê uma lida nesse texto do Osho http://www.oshobrasil.com.br/texto_1.htm que talvez as idéias sobre "o que é o ego", possam se aclarar para você - já que você fez essa abordagem histórico-política a respeito do ego.

    A gente retoma esse assunto.

    Até mais,




    Nairan

    Mensagens: 5
    Data de inscrição: 16/01/2012

    Re: O QUE É O EGO? COMO ELIMINÁ-LO?

    Mensagem  Nairan em Sab Abr 14, 2012 1:52 am

    Caro Monstrinho, li atentamente o texto que voce me recomendou ler
    http://www.oshobrasil.com.br/texto_1.htm
    , se voce notar, ao reler esse mesmo texto novamente, vera que toda a argumentação que eu usei sobre como a sociedade usa e molda o ego das pessoas, (ou pelo menos tenta, porque nenhuma sociedade conseguiu esse feito de forma plena, moldar totalmente as pessoas que as formam), se encontra presente no texto, apresentada de forma mais abrangente claro, mas esta lá exatamente o que eu afirmei sofre como as sociedades e os poderes constituídos nelas procuram moldar seus membros para que não venham a se tornar problema para a continuidade do "status quo" vigente a diferença entre nossas argumentações reside apenas em um ponto de suma importância.

    Os autores do texto, defendem a idéia de que essa estrutura de auto percepção e noção de ser a que chamamos de ego, é separada e diferente do eu, e partindo dessa premissa segue criando todo o demais arcabouço do pensamento filosofico em questão. Mas como toda essa estrutura de pensamento esta baseada numa premissa primordial, resulta que, se a premissa for falsa, toda a argumentação construída sobre ela também será falsa obrigatoriamente. Sendo exatamente isso o que ocorre no assunto em questão.

    Veja, EGO, significa exatamente EU, desde a origem da palavra ate o significado que perdura até hoje, querer usar uma mesma palavra, em línguas diferentes pretendendo representar coisas distintas é apenas um instrumento de retórica vazio e sem base de sustentação. Volto a frisar, EU e EGO, significam absolutamente a mesma coisa.

    A verdade disso se mostra pelas inconsistências da própria argumentação derivada desse fato, já nas primeiras frases do texto quando se fala da criança que nasce, é afirmado que a criança nasce sem conhecimento, e sem consciência de si mesma, nada mais errado que isso, de fato a criança ao nascer não possui um vasto arcabouço de conhecimentos, que iram se acumular durante sua existência, mas ela já detém os vestígios do parco conhecimento adquirido ainda dentro do útero materno, assim como todo o arsenal de arquétipos e estruturas de pensamento herdadas de seus antepassados na forma de ligações sinapticas e estruturas neuronais pré formadas.

    Porém, isso não é o mais importante, o mais importante é a afirmação feita logo a seguir, de que a primeira coisa de que criança se torna consciente não é ela mesma, mas o outro, novamente não pode haver coisa mais errada que isso, a criança só tem consciência dela mesma de nada mais, o outro e tudo que esta fora dela ela entende como sendo parte dela mesma, e leva um bom tempo para que isso mude, para que a criança consiga separar o que esta fora dela do que ela é
    Tanto é assim, que para a criança nada existe além do que ela pode ver, sentir, cheirar ou saborear diretamente

    Na verdade não ha oura forma de ser, afinal como se pode saber o outro se não se sabe, como se pode ter consciência do outro sem se ter consciência de que se é??

    Essa consciência pode não ser elaborada, mas ela existe, pois quando a criança abre os olhos, ela se sente, ela expressa emoção, as reações diante do outro, seja sua mãe ou qualquer outra pessoa ou coisa, ira apenas refletir o prazer ou desprazer sentido por se saber, condição sem a qual nada seria expresso.

    Uma criança que nasce sofrendo de alguma condição anômala, que a prive da capacidade de se saber, não ira expressar nada diante do mundo fora dela.

    Pois bem descartada então a idéia de que o EU não é o EGO, fica bem mais claro que durante a formação da pessoa, passando de um recém-nascido, até chegar a um adulto, o que irá se formando é justamente a noção de eu, que essa pessoa terá de si mesma.

    Acontece que essa noção de EU, de EGO depende diretamente do que a pessoa encontra na relação dela com o mundo exterior, assim como depende também de varias características internas próprias,

    Entendo que é mais confortável, pra não dizer mais desejável, se imaginar portador de qualidades inerentes, que transcendem nossa condição humana e mortal, sujeita a todo tipo de dificuldades e problemas.

    Porém tal desejo não passa disso, desejo.

    O fato é que precisamos urgentemente começar a fortalecer o EU, o EGO das pessoas, para podermos chegar à condição de termos filhos e netos melhores que nos mesmos, que não cometam tantas arbitrariedades, nem tantos desatinos, provocados por EGOS frágeis e mal estruturados, por EGOS mal formados sob a pressão da sociedade e de uma educação mal dirigida.

    Alias, é exatamente isso que os autores do texto defendem, o fortalecimento do EU, ou seja, do EGO.

    Ao menos esse e meu entendimento.

    Maria Fernanda

    Mensagens: 7
    Data de inscrição: 16/06/2011
    Localização: Indaiatuba - SP

    Re: O QUE É O EGO? COMO ELIMINÁ-LO?

    Mensagem  Maria Fernanda em Sex Abr 20, 2012 3:13 am

    Nairan escreveu:O fato é que precisamos urgentemente começar a fortalecer o EU, o EGO das pessoas, para podermos chegar à condição de termos filhos e netos melhores que nos mesmos, que não cometam tantas arbitrariedades, nem tantos desatinos, provocados por EGOS frágeis e mal estruturados, por EGOS mal formados sob a pressão da sociedade e de uma educação mal dirigida.

    Alias, é exatamente isso que os autores do texto defendem, o fortalecimento do EU, ou seja, do EGO.

    Ao menos esse e meu entendimento.

    Não creio que os autores do texto tenham dito isto que vc afirma. Quanto a idéia de que "eu", "EU" e ego são a mesma coisa, há muitos defensores dessa idéia, pois mesmo que supomos que o censor ou observador, ou ainda o sujeito, seja aquele que está testemunhando os movimentos da mente, na verdade, este censor é o próprio ego, uma vez que ele está criando a idéia de que esta´observando alguma coisa.

    Quanto à questão de egos bem ou mal formados/estruturados não concordo, pois o ego é o grande problema da humanidade, de modo que não há de ser fortalecê-lo, mas destruí-lo, ou, na pior das hipóteses ir dissolvendo-o.

    Beijos.

    Fernanda


    Nairan

    Mensagens: 5
    Data de inscrição: 16/01/2012

    Re: O QUE É O EGO? COMO ELIMINÁ-LO?

    Mensagem  Nairan em Sex Abr 20, 2012 10:51 pm

    Não creio que os autores do texto tenham dito isto que vc afirma. Quanto a idéia de que "eu", "EU" e ego são a mesma coisa, há muitos defensores dessa idéia, pois mesmo que supomos que o censor ou observador, ou ainda o sujeito, seja aquele que está testemunhando os movimentos da mente, na verdade, este censor é o próprio ego, uma vez que ele está criando a idéia de que esta´observando alguma coisa.

    Quanto à questão de egos bem ou mal formados/estruturados não concordo, pois o ego é o grande problema da humanidade, de modo que não há de ser fortalecê-lo, mas destruí-lo, ou, na pior das hipóteses ir dissolvendo-o.

    Beijos.

    Fernanda

    Olá Fernanda, Que bom poder contar com mais pessoas participando da conversa e troca de idéias sobre o assunto.

    Quanto ao fato de que os autores não quiseram demonstrar o que eu apresentei, com certeza que não, alias fica claro que eles pretenderam representar exatamente o oposto, a noção de que o ÉGO, é realmente formado de maneira separada do EU, o que eu me propus a demonstrar é que essa idéia é equivocada, e não passa de linguistica, e de racionalizações para fundamentar a noção de separação entre um corpo que é só carne, e algo que é imaterial e pertenceria a outra realidade.

    O que afirmo é que...

    Tudo que é tido como espiritual, é na verdade uma cadeia de propriedades emergentes que surgem da complexidade e do arranjo espacial, assim como da soma de todas as atividades químicas e neuronais que o conjunto completo formado pelo corpo e sistema nervoso/cérebro produz.

    Acontece que essas propriedades que emergem dessa complexidade, produzem outras dinâmicas e interações, que por sua vez estão gerando novas propriedades emergentes.

    Veja, a grosso modo podemos dizer que as reações químicas que ocorrem dentro das células, fazem emergir propriedades que não existiam antes, de organização e controle de subprodutos químicos que por sua vez viabilizam o surgimento de sistemas de interação entre tecidos diferentes e grupos de células com funções distintas mas que trabalham em conjunto.

    estes sistemas, por sua vez, possibilitaram o surgimento de novas propriedades que não existiam antes ampliando o sistema, nascendo assim toda uma gama de emoções e sentidos, que propiciaram a percepção de existência, dessa forma o sistema vai se ampliando e se tornando cada vez mais complexo e novas propriedades vão surgindo, com o amadurecimento e aprimoramento do sistema nervoso dos seres humanos por fim se chega à percepção de existência, surge a noção do EU, surge a consciência.

    Porém esse crescimento e desenrolar de coisas ainda não parou estamos ainda em evolução e portanto novas propriedades ainda estão sendo criadas e surgindo nesse mesmo momento, é só notarmos com atenção para podermos ver as forças que atuam no sentido de selecionar e moldar pela pressão do meio novas possibilidades que estão se tornando reais através das interações sociais, através delas é que as pessoas como indivíduos se tornam maiores que eles mesmos, e isso não é exclusividade dos seres humanos, esta presente entre outros sistemas como nas colônias de insetos (formigas, abelhas, etc..), nas simbioses entre fungos e algas, e assim por diante em diversos sistemas complexos que fazem parte de nosso habitat natural.

    Porém, sendo que a sociedade humana com seus membros, representa o sistema de maior complexidade presente atualmente em nosso mundo, ela é que produz as maiores mudanças e adaptações que estão moldando o próprio homem.

    Voltamos portanto À questão do EGO, ele não passa da manifestação plena da percepção do EU, como indivíduo separado do todo, mesmo tendo surgido do todo, mas esse todo não possuis as complexidades do EU, portanto o EGO, é realmente algo único e individual, não podem haver dois iguais. pois ele é o produto direto não só do surgimento da consciência como propriedade emergente da complexidade do ser humano, como também da interação desse ser individual com seus pares na forma de uma sociedade que ja se encontra também em sistema de complexidade suficientemente desenvolvida para produzir novas interações e propriedades que não existiriam sem sua presença.

    Entendo que a noção, a respeito do EGO, pode parecer restrita a um entendimento simplista baseado apenas na visão de EGO como aquele sentimento , como a palavra já diz, EGOÍSTA, de se pensar apenas em si mesmo, e nada mais, mas esta visão é mais fruto das interações sociais através do moldar de pensamento provocado pelo uso restrito de palavras e maneiras de falar, o que cria convenções de pensamento, mas na verdade EGO, é realmente a palavra EU, simplesmente isso, e EU pode representar tanto o se perceber como diferente, como único, mas também pode representar o querer se manter separado do outro, ou do de fora, do NÃO EU.

    Acontece que convencionou-se chamar de EGOISTA aquele que somente se interesse por si mesmo, desconsiderando o que não é ele, mas isso é apenas convenção, e se nos deixarmos levar por isso deixaremos também de lado todas as outras representações que o EU possui e significa.

    Resumindo, o EU deve necessariamente interagir com os outros EUS que formam a sociedade, e essa interação so pode acontecer de forma saudável se o indivíduo manter uma percepção firme e inteira de sua individualidade frente aos outros, de suas qualidades e propriedades impares, assim como ele deve também perceber que as outras pessoas que formam a sociedade também são seres individuais, portadores de EGOS como ele mesmo.

    O assim chamado EGOÍSMO, nada mais é que a demonstração de que a pessoa esta falhando no desenvolvimento dessas qualidades, ele esta conseguindo se saber indivíduo, mas não esta conseguindo saber o outro como indivíduo também.

    E quando isso acontece a própria noção de EU se torna fraca e inconsistente, não é a toa que tais pessoas se apresentam de forma infantil e sem o amadurecimento pleno do adulto.

    Dessa forma não é preciso ir buscar em outra possível existência ou realidade subjetiva uma resposta que se encontra aqui mesmo diante de nos mesmos, o que é preciso é fortalecermos nossa percepção de individualidade para podermos entender os outros também como indivíduos separados de nos mesmos, e portanto com os mesmos atributos, vontades desejos emoções e direitos que nos mesmos.

    Não vejo como a clareza disso não salta aos olhos de quem dedicar um pouquinho de tempo para meditar sobre o assunto.˜
    Fica evidente que se escolhermos mergulhar em um possível oceano nirvaniano, se escolhermos nos unir ao todo, então estaremos justamente mergulhando no nada de onde viemos e nada mais, porém se aprendermos como humanidade e sociedade a respeitarmos a individualidade de cada um poderemos continuar subindo nessa escala que vem se tornando cada vez maior e mais complexa pelos milênios afora, e que não temos ideia ainda de onde pode chegar.

    Não é meu desejo contestar por futilidade, nem procurar criar discussões sem fim sobre crenças, mas tento apenas mostrar que a hipótese ESPIRITO, é desnecessária, e menor que a realidade, e portanto fatalmente se mostrara prejudicial ao desenvolvimento pleno da humanidade, se não for deixada de lado em algum ponto do caminho, ela simplesmente e desnecessária.

    Abraços.

      Data/hora atual: Qui Abr 17, 2014 11:58 pm